out 02 2010

VOTAREI EM DILMA

Postado por at 23:07 sob Uncategorized

Em 2002 houve a tal “transição civilizada”. FHC, simpático, recebeu, com sua esposa, o casal Lula. Tudo bonito. Ali foi selado um clima de civilidade que, a rigor, servia para quem estava saindo. Para que olhar o passado? Para que mexer no que passou? E foi esse o conto da “transição civilizada”. Nada do que foi feito no período FH foi desfeito naquele momento.
 
II
Os novos integrantes do governo passaram a se considerar “os novos príncipes do neoliberalismo”. Juros altos, até mesmo uma nova reforma da previdência. E houve até um ministro, dito “histórico”, que chegou a afirmar que “desde 88, na Constituinte, era a favor da independência do Banco Central”. Se era, não havia contado para ninguém. Mas até isso vimos. As grandes empresas de comunicação, ali naquele comecinho, rolaram suas dívidas. Era uma festa.
 
III
Em 2005, um infelz subalterno dos correios é apanhado recebendo 3 mil reais de propina. E esse infeliz era indicado pelo PTB. Quando viu que a bomba ía estourar no seu colo, Roberto Jefrferson cria a expressão “mensalão”. Assumiu que havia recebido mais de 4 milhões de reais. E não disse para quem repassou. E aí virou herói entre seus pares, ou seja, entre os que receberam os 4 milhões cuja origem não se sabe. Ali nascia a história do tal “mensalão”, ou seja, dinheiro repassado a alguns políticos. Nem era mensal, nem era mesada. Tudo indica que ainda era pagamento de dívidas de campanha. A origem estava em Marcos Valério, o publicitário mineiro que fez exatamente o mesmo esquema na eleição de Eduardo Azeredo, do PSDB de Minas.
 
IV
O mundo veio abaixo. Faltou pouco, pouquíssimo, para que o governo caísse. Foi feita até uma costura para afastar os grandes caciques e eleger Severino Cavalcanti para a presidência da Câmara dos Deputados. E foi eleito, com a costura primeira de FHC. O terremoto estava instalado.
 
V
Foi ali, exatamente ali, que Lula ficou sozinho. Perdeu Gushiken, perdeu Zé Dirceu, perdeu Genoíno. A imprensa – os novos amigos da imprensa – caíram em cima. E o governo quase cai. Só não caiu porque achavam que já havia “sangrado” o suficiente. Seria um governo anêmico. Lula se obrigou a improvisar.
 
VI
Ali, no meio do desabamento, com a queda dos “históricos”, Lula chama uma técnica, a então Ministra de Minas e Energia, para a Casa Civil. Não era apenas uma técnica. Tinha experiência, na sua maioria voltada para a energia, mas na área de comando político. Antes disso, havia uma militância contra a ditadura. E houve a criação de um novo partido, o PDT de Leonel Brizola.
 
VII
Na solidão do desabamento, Lula convocou Dilma. Só que Dilma não era histórica do PT. Dilma veio de matriz getulista. Dilma conhecia profundamente a história do Brasil, a luta pela industrialização, a defesa dos direitos dos trabalhadores. Acima de tudo, Dilma sabia o que era construir um processo de industrialização contra os interesses estrangeiros que nos queriam, sempre, subalternos, importadores do que era industrializado e permanentes exportadores de matéria prima sem qualquer transformação.
 
VIII
De matriz getulista, Dilma auxiliou Leonel Brizola a fundar o PDT. O que era o PDT? A tentativa de refundar o PTB de Getúlio, um grande partido de massas. Brizola foi golpeado, no entanto, por Golbery do Couto Silva, que costurou junto ao TSE a entrega da legenda a Ivete Vargas. Brizola teve que começar praticamente do zero. E Dilma estava lá. Carlos Araújo, advogado trabalhista em Porto Alegre, ex-preso político, também estava lá. Era marido de Dilma, à época. Que matriz era essa? O fortalecimento da pequena agricultura, da pequena empresa. Levar o crédito à pequena empresa, fazer a reforma agrária moderna, desenvolvimentista. Garantir os direitos sociais. Em síntese, ali havia uma aliança: os nacionalistas e os defensores dos direitos dos trabalhadores se uniam.
 
IX
Essa é uma curiosidade: em algum momento da história, os nacionalistas – ou seja, os defensores de uma pátria soberana, moderna, altiva, que se comporte como um parceiro dos demais países, e não com um subalterno – se separam daqueles que defendem os direitos dos trabalhadores. Provavelmente a partir da segunda guerra, a partir do construído e doentio anticomunismo, foram arrastados os nacionalistas para um lado, e os defensores dos direitos dos trabalhadores para outro. Mais curioso, ainda, olhar o PT frente a isso, em sua construção: de um lado, a igreja, internacional; de outro, as organizações de esquerda, internacionalistas. Faltava ao PT um toque, uma gota que fosse, de nacionalismo. E o velho Brizola sempre apontava isso.
 
X
Pois bem: no desabamento do mensalão, Lula chama Dilma. E ali começa a ser construído, de fato, o governo Lula. Foi Dilma quem trouxe a noção de Projeto de Desenvolvimento, de indução do Estado. Foi Dilma quem trouxe a visão sobre petróleo, sobre energia, e impediu que simplesmente fosse dada seqüência à tragédia da venda de bacias petrolíferas que continuava ocorrendo.
 
XI
Foi Dilma, sim, quem trouxe a visão de desenvolvimento para o governo, que permitiu a Lula colocar em prática aquilo que sequer se permitia sonhar. Dilma fez Lula perceber que as bandeiras nacionalistas estão vivas, e podem ser modernas. Foi Dilma quem concebeu o PAC – Programa de Aceleração do Crescimento. E o Brasil passou a investir: houve geração de empregos, circulação de riqueza, multiplicação da riqueza a partir de iniciativas do Estado. Ou seja, uma visão moderna do Estado. Não se tratava de uma estatização maluca, mas tão somente a abertura de crédito, a promoção de obras tocadas por quem? Pela iniciativa privada.
 
XII
Até o dito “mensalão”, o governo Lula era uma tragédia anunciada. Os “novos príncipes do neoliberalismo” eram a própria afetação encarnada. Havia um “almofadismo” no ar, um ar pretensioso da parte de alguns, apanhando no noviciado. Eram declarações infelizes, eram “homenagens” feitas, o tempo todo, por adversários históricos querendo manipular, e onde os membros do novo principado caíam como patos. Daí que afirmo, novamente: a crise do “mensalão” foi a melhor coisa que aconteceu para o governo Lula. Quebrou aquele “sonho”, aquele clima de principado, aquela afetação. E derrubou gente que, provavelmente, impedia Lula de navegar sozinho. 
 
XII
Foi ali, com o desabamento de muita gente, que Dilma foi para o Planalto. Foi Secretária da Fazenda da Prefeitura de Porto Alegre, quando Prefeito Alceu Collares, do PDT. Depois, foi Secretária de Estado de Minas e Energia no Rio Grande do Sul. Depois, foi Ministra das Minas e Energia, já no Governo Lula. Dilma tem experiência administrativa e tem experiência política. Não tinha, é claro, experiência eleitoral.
 
XIII
Redondamente enganado quem acha que Dilma é mera manipulação de Lula. Não é. Dilma tem personalidade, tem caráter. É uma mulher que sobreviveu ao pior que o ser humano pode ser submetido. Dilma foi barbaramente torturada, seviciada, abusada, humilhada, sangrada, esfolada, pendurada. Dilma beirou a insanidade frente à brutalidade a que foi submetida por gente bárbara, exclusivamente pelo fato de defender, à época, a continuidade da democracia brasileira, a permanência do Presidente da República legitimamente eleito, João Goulart.
 
XIV
Dilma tem fibra, tem profundidade, tem densidade. Dilma fará um governo muito melhor do que o de Lula, por vários motivos. Primeiro, porque contará com Lula apoiando; segundo, porque não iniciará do zero. Terceiro, porque contará com uma aliança ainda mais forte. E, por fim, porque não iniciará o governo adulada por setores como a grande imprensa, por exemplo.
 
XV
É por isso que voto em Dilma. Voto pela história de vida de Dilma, e voto pela minha própria história.  Dilma é quem personifica a aliança que levou à Revolução de 30: Minas Gerais e Rio Grande do Sul. Voto em Dilma pela História do Brasil porque Dilma é o resgate de Getúlio, de Juscelino, de Brizola. Dilma é o Brasil moderno se encontrando com sua história.
 

14 respostas até o momento

14 Respostas em “VOTAREI EM DILMA”

  1. Vera Paoloniem 02 out 2010 �s 23:35

    Maia, meu irmão, meu amigo, meu companheiro no sentido mais perfeito do termo,

    esse texto é tecido com sentimento, paixão e arte. Não é um post apenas, é um poema que emociona. Li, reli e parei para agradecer a Deus por estar viva para ler o poema e por estar viva pra ir votar na Dilma amanhã bem cedo. E fazer campanha até 5 da tarde.

    Daqui a alguns minutos, uns 30 eu acho, é meia noite, o primeiro minuto deste lindo 3 de outubro em que elegeremos a primeira mulher presidenta do Brasil. Uma mulher firme, densa e suave. Temperada pela vida e pelos ideais que a embalaram desde cedo. Uma mulher na qual todas as mulheres lutadoras se reconhecem e se miram.

    Um carinhoso, terno e chegado abraço, meu preto.

    Com muita ternura,
    vera

  2. paizoteem 03 out 2010 �s 08:49

    Caro Amigo Dr Maia;
    Gostaria de poder fazer parte desta corrente políticamente apaixonada, desta corrente que ainda confia como muito bem demostrado neste comentário acima.
    Lamento mas não posso votar na Dilma . Gostaría de poder faze-lo pois estaría orgulhosamente na companhia do amigo. O que muito me honraria.
    Infelizmente não posso!
    Estaría traindo meus sentimentos pessoais em relação ao governo que se finda. Sería concordar com o governo Lula.
    Lamento mas não posso, estou saindo para votar com a legitíma sensação de que estou indo realmente para uma festa.
    A “festa da democracia”.
    Mas o sentimento é o de que que só fui convidado para esta “festa” , porque precisarão de alguém para pagar a “conta”.
    Talvez me iluda com um pedido para que o garçon sirva apenas pratos vazios e em brancos. Mera ilusão ,pois sei que ainda assim a conta virá.
    Mesmo assim parabenizo o amigo pela brilhante defesa de seu voto , e renovo minha admiração pessoal.

  3. Amaury A. Guedesem 03 out 2010 �s 09:20

    Dr. Maia,
    desejando muita saúde, e que o seu candidato seja eleito.
    Pois é, neste pleito votarei com Marina, com todo o respeito e admiração que tenho por sua pessoa. Me permita postar mais esta modesta opinião deste que lhe devota o mais profundo respeito.

    (Minha filha Denize me convenceu)

    Marcadores Mais ações 1 de 3496 Anteriores ›É possível levar a Marina ao 2o turno – veja 43 razões!
    EntradaX

    Denize GuedesAmigos, desculpem o spam, mas precisava compartilhar com vocês motivos que po…
    13:15 (20 horas atrás)

    Denize GuedesCarregando…13:15 (20 horas atrás)

    Responder |Denize Guedes
    mostrar detalhes 13:15 (20 horas atrás)

    Amigos,

    desculpem o spam, mas precisava compartilhar com vocês motivos que podem ajudar a (re)definir o voto para nosso futuro governante amanhã. Eu sou Marina, pelas 43 razões abaixo e por achar que precisamos de um segundo turno. Acredito numa reviravolta que mostre que as pesquisas não são a simples prévia do resultado de uma eleição.

    Quando fiz minha pós em Assessoria em Comunicação Pública, em Brasília, estudei o resultado das últimas eleições ao governo da Bahia. A situação era a seguinte: poucos dias antes do pleito, todas as sondagens apontavam vitória de Paulo Souto (candidato apoiado por ACM) em primeiro turno. Porém, ele não só NÃO venceu em primeiro turno como perdeu para o candidato do PT, Jaques Wagner, em primeiro turno.

    É possível!!! Quem vir coerência nas propostas da Marina, que a ajude a chegar ao segundo turno!! Visitem: http://www.minhamarina.org.br.

    Beijos,

    Denize

    43 RAZÕES PARA VOTAR EM MARINA

    Conhece a pobreza
    Marina é Silva. Como a maioria das gentes no Brasil, nasceu pobre. Com força de vontade, com escola e com a ajuda de pessoas boas, superou tudo.

    Dará oportunidades para todos
    Marina Silva oferece ao país a terceira geração dos programas sociais, com a capacitação e a inserção dos beneficiados no mercado de trabalho, de acordo com os potenciais de cada família.

    Valoriza a educação
    Alfabetizada aos 16 anos, tornou-se professora, vereadora, deputada estadual, senadora e ministra. Sabe da importância da educação. Seu projeto transformará o Brasil num país do conhecimento.

    Quer desenvolvimento
    Marina Silva está em sintonia com os desafios do século 21. Ajudará o Brasil crescer, mas sabe que o crescimento é só uma ferramenta para que o país atinja o desenvolvimento econômico, social, ambiental e cultural, o verdadeiro desenvolvimento sustentável.

    Tem causa
    A causa de Marina Silva é a causa do planeta, da qualidade de vida tanto hoje quanto no futuro. É a nossa causa, dos nossos filhos, dos nossos netos, de toda a nossa descendência.

    É verde
    Marina Silva alia visão da qualidade de vida com a necessidade da preservação ambiental. É uma das 50 personalidades que podem salvar o planeta, de acordo com o jornal britânico The Guardian.

    Tem capacidade de gestão
    Tranquila, mas firme, Marina Silva possui enorme competência. Foi sob sua batuta no governo Lula que o país diminuiu de forma drástica o desmatamento na Amazônia. O Brasil não precisa de gerente. Precisa de uma líder com visão de futuro, como Marina Silva.

    Tem equipe
    Desde seu primeiro cargo, Marina Silva sempre se cercou de pessoas inteligentes, modernas e eficientes. É um imã de pessoas honestas e boas. Marina atrai competências.

    Nova forma de governo
    Marina Silva não governa com apaniguados nem sob a influência das indicações políticas. Sabe ouvir, governa com a ajuda de especialistas, de técnicos. Pretende unir no governo o lado bom de cada administração pública.

    É sucessora
    Marina Silva integra os avanços dos governos FHC e Lula. É o passo adiante para superar as deficiências que persistem no país. Não é uma opositora, que rejeita tudo, nem uma continuadora, que vê tudo positivo. É uma sucessora.

    Combate ao desperdício
    Marina Silva tem história para acabar com o loteamento dos órgãos públicos, para acabar com o desperdício do dinheiro público, do capital humano, das oportunidades, dos recursos naturais.

    Intolerante com a corrupção
    Para Marina Silva não há espaço para corrupção e sim para o uso correto e fiscalizado dos recursos públicos.

    Tem programa completo
    Marina Silva pauta sua campanha pelo debate de ideias e de propostas para o Brasil. Tem o mais completo programa de governo entregue à Justiça Eleitoral.

    Quer debate
    Marina Silva fará o impossível para participar de todos os fóruns de debates entre os candidatos – seja na TV, na internet, nas associações de classe ou nos jornais.

    Não faz ataques pessoais
    Marina não faz ataques nem ofensas pessoais a qualquer candidato.

    É contra a contra-informação
    Marina Silva descarta qualquer forma de obtenção de informação que viole os marcos do Estado democrático de Direito.

    Tem campanha sustentável
    As emissões de carbono resultantes da campanha serão contabilizadas na internet. Sua neutralização se dará com reflorestamento nos biomas brasileiros.

    Aposta nos pequenos doadores
    A Campanha Marina Silva não quer depender só dos grandes doadores. Por meio da internet, deseja ser financiada também por pequenas doações.

    Dispensa o caixa dois
    A Campanha Marina Silva considera o caixa dois uma prática absolutamente inaceitável. Todas as doações serão reportadas ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), identificando o doador e a quantia doada.

    É transparente
    Marina Silva será transparente na arrecadação e no uso dos recursos financeiros no processo eleitoral. A prestação de contas estará no http://www.minhamarina.org.br

    Pratica a democracia
    Marina Silva potencializa os espaços de articulação social e respeita as formas organizativas da sociedade. Quer fortalecer canais de interlocução dos cidadãos com o Estado.

    Inova na segurança
    Marina Silva traz novo paradigma para as políticas de segurança pública, com olhar qualificado para ações de prevenção ao crime e à violência. Quer reestruturar as polícias, sabe inovar e não se guiará por propostas sensacionalistas.

    Conhece a Floresta
    Marina Silva nasceu e se criou no meio da floresta do Acre. Teve Chico Mendes como mentor. Conhece e sabe da importância da preservação das florestas no desenvolvimento do país. Marina Silva tem como meta o Desmatamento Zero.

    É líder servidora
    Marina Silva está a serviço de uma causa, a serviço da humanidade. Ela não lidera pela imposição de idéias ou em causa própria, mas sim pelo diálogo e principalmente pelo exemplo. Por isso aceitou ser a nossa presidente.

    Tem experiência política
    Marina Silva disputou sua primeira eleição em 1986. Já foi vereadora, deputada estadual, senadora por dois mandatos e ministra do Meio Ambiente por cinco anos.

    Tem um bom vice
    Marina Silva escolheu um empresário comprometido com a sustentabilidade para mostrar que desenvolvimento e meio ambiente caminham juntos. Guilherme Leal entrou para a política porque acredita que é possível construir um país melhor com uma política diferenciada.

    Quer um futuro melhor
    Marina Silva quer que todos os nossos filhos tenham ar puro para respirar, que nossos netos tenham água limpa para beber e comida saudável. Que vivam em paz e harmonia. Só Marina apresenta esta possibilidade na política nacional hoje.

    Tem responsabilidade
    Marina Silva tem a responsabilidade de saber que o amanhã depende de um hoje bem feito.

    Tem envergadura internacional
    Marina Silva é conhecida e respeitada também fora do Brasil. Dialoga além das fronteiras e se comunica com líderes de todo mundo.

    É mulher
    Marina Silva está em sintonia com o século 21. Ela acolhe e estimula o diálogo. É um novo modelo de liderança, que integra razão e emoção. Será a primeira mulher a cuidar do Brasil.

    Propõe a verdadeira política
    Quem nunca se interessou por política decide se unir a Marina Silva depois de ouvi-la. Ela elimina a distância entre o político e o eleitor, pois sabe que o eleitor é o real agente político.

    Luta contra a discriminação
    Marina Silva tem como compromisso e em seu histórico a luta contra todas as formas de discriminação: étnica, racial, religiosa, homofobia, sexismo ou qualquer outra.

    Não camufla defeitos
    Marina Silva se apresenta como o ser humano que é. Não quer admiradores, mas sim uma ação onde todas as qualidades dos outros possam ser somadas às dela e os defeitos fiquem claros para que todos possam corrigi-los.

    Busca fortificação na diversidade
    Não é apenas a diversidade ambiental e ecológica que Marina Silva espera conservar, mas a diversidade humana. No equilíbrio entre as diferenças da natureza está o ensinamento para se encontrar o equilíbrio entre as diferenças que estão em todos nós.

    Resgata a esperança
    A história de Marina Silva faz acreditar que nada é impossível. Seu exemplo de superação inspira e prova que se há um sonho, só depende de nós o poder de realizá-lo.

    Vida longe de escândalos
    A vida política de Marina Silva não está associada a escândalos. Ela representa os cansados da corrupção no meio político. Marina tem a ficha limpa.

    Consumo consciente
    Marina Silva acredita no consumo responsável, na inclusão social e no equilíbrio ambiental. Construir sem ser consumido. Consumir sem desperdiçar.

    Quer a transformação
    A educação e a inovação serão os alicerces da transformação. A criatividade, o empreendedorismo e a diversidade socioambiental, os meios da multiplicação.

    Acesso à cultura e ao conhecimento
    Ampliar o acesso à cultura e ao conhecimento, respeitando os direitos do criador e o interesse público pelo acesso a toda diversidade cultural brasileira é outra bandeira de Marina Silva. Ela pretende garantir o apoio a projetos culturais e artistas em áreas com baixo acesso à cultura.

    Quer plebiscito nas polêmicas
    Marina Silva não pretende impor seu ponto de vista a respeito de temas polêmicos, como a descriminalização das drogas e o aborto. Sabe que essas questões dividem a sociedade e, por isso, se compromete a fazer plebiscitos sobre elas.

    Cidades saudáveis, seguras e sustentáveis
    Marina Silva quer promover a eficiência no planejamento e na gestão das cidades: integração e articulação de políticas para urbanização, saneamento, mobilidade, adaptação às mudanças climáticas, proteção de mananciais, promoção do desenvolvimento e do bem-estar humano.

    Aposentadoria compatível
    Marina Silva tem propostas para tratar melhor quem envelhece e perde sua capacidade de trabalho. É necessário restaurar a perspectiva de uma aposentadoria compatível com os recolhimentos feitos ao longo da vida.

    Tem programa de governo
    As diretrizes programáticas de Marina Silva são embasadas em Política cidadã baseada em princípios e valores: Educação para a sociedade do conhecimento; Economia para uma sociedade sustentável; proteção social: saúde, previdência e terceira geração de programas sociais; qualidade de vida e segurança para todos os brasileiros; cultura e fortalecimento da diversidade e Política externa para o século 21.

  4. Amaury A. Guedesem 03 out 2010 �s 11:12

    É isso aí, viva a democracia!
    Parabéns, Amaury

  5. JC BOLOGNESEem 03 out 2010 �s 12:24

    Saúde Dr. Maia,

    Como já disse aquí antes, não torço contra, se quem ganhar for o que não teve meu voto. Voto no Serra, não por causa do Aerus. Mas não voto no PT, entre outras coisas, POR CAUSA SIM, DO AERUS. Lamento mais ainda que o judiciário (com a minúscula que merece) seja tão emcabrestado pelo poder da hora. Torço é pelo Brasil, mas com convicções que correspondem à Constituição da República, esta sim em Maiúsculas!

    Saúde & Democracia,

    JC BOLOGNESE

  6. Gabriel Tavares Florentinoem 03 out 2010 �s 15:02

    Andava um pouco triste com estas eleições. Queria muito votar no PT, mas acabei optando por Marina. Confesso uma coisa: gosto do Serra. Ele foi um bom Ministro da Saúde. A emoção nega, mas a razão acabou sendo mais forte neste caso. Nem sempre a emoção é soberana.

    No começo não tinha dúvida alguma: meu voto era da Dilma, simplesmente porque sabia que era do PT, que era do Lula. Sou apaixonado pelo Lula. Sinto por ele algo parecido com o do Brasil jogando em Copa do Mundo. Ou seja, paixão total, não tem explicação. Para falar a verdade, nem razão.

    Por isso eu ia votar em Dilma. Mas com o passar dos meses percebi que Marina tinha uma vida invejável. Eu lia os artigos do Maia, a Carta Capital, a Veja. Lia tudo, por todos os lados. Não poderia votar em Serra, pois sua carreira como presidente seria semelhante à velha de Ministro da Saúde.

    Dilma… Não dava certo, pois a razão mostrava que Marina tinha uma carreira política mais admirável. Por baixo, no mínimo, mais invejável.

    Ainda ontem, sábado (02/10/2010) conversei com meu pai e seus amigos. Ninguém demonstrou certeza de seu voto para presidente. Eu fui o único a anunciar sem hesitar: MARINA!

    Eis que chego em casa e começo a pensar no assunto. Brinco com meu irmão pela internet. Depois, antes de dormir, não custa ler o e-mail, né?

    Mas a emoção prega peças. E não avisa, diferente da razão e suas razões.

    Antes de abrir qualquer mensagem do g-mail, pensei: “O que aparecer a partir de agora poderá me fazer mudar de opinião. Estou aberto aos convencimentos, às retóricas, às razões, às mentiras e às verdades.”

    Ora, pra quê…?

    Li o artigo do Maia. E concluí imediatamente: “Por que eu estou me enganando? Eu quero votar na Dilma. Quero que ela ganhe no primeiro turno. Quero o PT mais 8 anos no poder. Quero ver a oposição perdendo o sono”.

    Dou-me conta de que a emoção foi vencedora, soberana. E, em seguida, decido escrever um e-mail para 3 pessoas: Papai, tia Vera, Daniel. Eu sei que eles leem. Ninguém mais, exceto eles três.

    É pessoal, meu voto é da Dilma. Espero não me arrepender por outras razões, pois A Razão já perdeu, e estou me sentindo muito bem por isso.

    Aliás, meus votos serão do PT. Não quero que o Eunício ganhe do Pimentel como Senador, aqui no Ceará. O PMDB é situação. O PMDB enche linguiça. O PMDB é o partido dos neutros. Infelizmente os neutros são maioria no Brasil, e qualquer que seja a situação, o PMDB será o aliado ideal. Infelizmente será assim. Nas próximas eleições, se o Pimentel concorrer, meu voto será dele novamente.

    E nas próximas eleições para presidente, em 2014, quero votar em Dilma novamente. Quero agora! Ela terá 4 anos para me surpreender. Seja para o bem, seja para o além. Hoje não me arrependerei por algo que deixei de fazer.

    Abraços, dr. Maia,

    Gabriel Florentino

  7. CENTURIÃO N.em 03 out 2010 �s 16:13

    ESTA DECLARAÇÃO DE VOTO E ELOGIOS PARA A CANDIDATA EM RELAÇÃO AO TALVEZ FUTURO GOVERNO SERIA ACEITÁVEL EM RELAÇÃO AO CASO “AERUS”; SE NÃO
    RETORNAREM AO SISTEMA , DIRCEUS E OUTROS COLABORADORES QUE TANTO PREJUDICARAM A NOSSA CAUSA . LEMBREM-SE DAS INÚMERAS REUNIÕES MARCADAS E SEMPRE CANCELADAS E DOS FALSOS ACORDOS NUNCA CUMPRIDOS.
    ESTA SENHORA NADA FEZ, INTERCEDEU OU SIMPLESMENTE PRONUNCIOU O NOME
    “AERUS” QUANDO FOI CHEFE DA CASA CIVIL.
    TALVEZ SE O BRIZOLA ESTIVESSE VIVO, TIVÉSSEMOS OUTRO DESFECHO ,POIS
    SE DE FATO SENDO COLABORADORA DELE COMO AQUI DECLARADO PELO DR. MAIA “VARIG E OU AERUS” TERIAM TRATAMENTO DIFERENTE DO ATUAL .

  8. henriqueem 03 out 2010 �s 16:37

    Caro Dr. Maia – Realmente o brasileiro nato tem cara de faminto e fala baixo, não dando a impressão de ter autoridade. O AERUS muito dependeu dos Dirceus e das Dilmas e o 4 x 2 no STF mostrou que a nossa causa não comove os comovíveis que são as minorias; mulheres e mestiços e que decretaram o prolongamento do nosso sofrimento. Queira Deus que o eleito/a tenha emoções e sentimento de respeito aos infelizes dependentes do AERUS.

  9. Aureaem 03 out 2010 �s 18:36

    Caros companheiros, “nunca antes na história” da minha vida, fui para uma eleição com um sentimento como o de hoje, desanimada, triste, sem motivação, sem aquela certeza de que meu voto iria mudar alguma coisa. Houve um tempo em que enfrentei um ônibus super cheio e andei muito, porque queria votar no Brizola, mas hoje, me senti como o cristão que ia para a arena sabendo que não teria como se defender, só que com uma grande diferença, ali valeu o sacrifício, foi por MUITO AMOR!!! Será que algum dia vou voltar a sentir essa vontade de ir às urnas para votar em algum candidato de novo? Abraços para todos !!!!! Pensionista Aerus/Varig.

  10. Fernandoem 03 out 2010 �s 21:28

    Pois é. Aurea, eu também estava meio que caidão com o que indicavam as pesquisas, mas agora há pouco veio a boa notícia: vai haver 2o turno!
    Dr. Maia, eu acho que ainda teremos uma chance de conseguirmos a saudavel alternância no poder.

  11. Claritaem 03 out 2010 �s 22:25

    Quando lembro da Dilma falando da VARIG e quando vejo meu marido doente, sofrido e desesperançado me da uma raiva, uma dor no meu coração que julgo nunca mais esquecer, sei que devemos perdoar, mas no caso da Dilma para minha familia e muitas que conheço é impossivel.
    A tortura a que somos submetidos todos os dias o vendo definhar é imperdoavel sendo que bastava haver boa vontade e este acordo ja estaria celebrado.
    Agora esperamos que o Senador Paim interfira a nosso favor e seja atendido.

  12. €uniceem 03 out 2010 �s 22:48

    Dr. Maia:
    Eu nunca imaginei que um dia iria contra algumas pessoas do PT como fui hoje na votação.
    Não votei na Dilma, porque a considero a nossa carrasca dos aposentados VARIG/Aerus ela e o LUla, nunca quiseram receber as comissões de Aposentados, faltou vontade politica ao companheiro Lula em ajudar a nossa VARIG, e a todos os aposentados.
    Então o Senhor acha que eu votaria nesta pessoa? Jamais votarei nela e no Lula, pra mim são pessoas mediocres. Pra ver como a vida dá voltas , votei no Serra outra pessoa que não simpatizo, só pra ela não ganhar no primeiro turno, e se Deus quiser também não ganhará no segundo turno. Isto que fiz hoje foi em homengem a todos nossos colegas falecidos durante esta crise , este pesadelo que se a bateu sobre os aposentados Aerus desde 2006.
    Hoje foi o dia da Vingança, o retorno é Infalível e e Lula e Dilma não acreditavam nisto, deram com os burros, bem feito.
    Eles tem que aprederem a serem mais humildes, não nego as benfeitorias que o Lula fe z no Governo dele, mas não perdoo ele por ter deixado acontecer o maior Genocidio entres posentados do Aerus desde 2006
    Desculpe não compartilhar do seu pensamento em relação ao PT e a estas pessoas tão nocivas a nós.

  13. patriciaem 08 out 2010 �s 22:16

    Votei em Plínio de Arruda, não votei e nem votarei em Dilma, sabe pq ?
    Não tenho memoria curta, não esqueci de sua epoca na Casa Civil e suas “amizades” com “pessoinhas” da Anac conjuntamente com o Sr. Constantino e sua turma.
    O Sr. vote em quem quiser, (é um direito seu), so acho um pouco antagonico seu voto e sua luta juridica em prol dos aposentados e pensionistas da velha Varig.
    Mas politica é isso aí ….
    Para finalizar…..
    Pq tanta luta, Pq tanto desgaste, Pq tanta esperança ?
    VIVA O GOV. LULA E SUA TURMA !!!!!!
    VARIG? ISSO É ASSUNTO DO PASSADO E Q DEVE SER ENTERRADO JUNTO COM O GOV. LULA.FELIZ 2011 PARA TODOS E FELIZ GOV. DILMA

  14. clovis IIem 09 out 2010 �s 00:53

    Dr, Maia Boa noite ou melhor madrugada.
    Aprendi que a quem temos confiança ocupando um lugar de destaque
    na defesa incasavel de nossos direitos no caso Aerus, no caso o Sr.
    nao vou trair esta confiança votando(apostando) no Serra.
    O Sr. é um advogado experiente e sabe de muitas manselas.
    Votei em Marna no 1º turno ma expectativa de vela no segundo turno com
    Dilma mas este sonho acabou.
    Vou votar em Dilma com convicção
    Um abraço

Trackback URI | Comments RSS

Deixe uma mensagem.